Browsed by
Categoria: Marketplaces

Case Walmart: estratégia para inspirar suas campanhas de Natal ?>

Case Walmart: estratégia para inspirar suas campanhas de Natal

Na ânsia por criar campanhas de Natal memoráveis que chamem a atenção dos clientes, muitas empresas buscam por soluções grandiosas e investem muito de seu capital em ações de marketing. Porém, não são só grandes gestos que podem ajudar a transformar o desempenho de um lojista virtual nas festas de final de ano – um ótimo exemplo disso é o case Walmart.

O Walmart é um gigante do universo do varejo. Com atuação em diversos países do mundo, a marca tem um nome forte e é conhecida por dominar uma importante fatia do mercado de vendas online e offline. Mas, foi uma ideia aparentemente simples que impulsionou o número de vendas virtuais da empresa no Natal de 2014.

Visando melhorar a experiência de compra dos usuários, o Walmart criou uma página especial para a campanha de Natal. O objetivo da página era fornecer aos consumidores recomendações de presentes de forma otimizada. Para isso, a empresa lançou o “Gift and Toy Finder”, uma ferramenta de busca detalhada que pesquisava produtos no e-commerce conforme a necessidade do consumidor.

A percepção da melhoria no desempenho de vendas com esta experiência fez com que a equipe da empresa desenvolvesse um estudo para observar o comportamento dos usuários em relação à ferramenta de busca. Através de um mapa de calor, identificou-se problemas enfrentados pelos usuários na navegação, o que permitiu encontrar soluções técnicas e de usabilidade.

O resultado foi muito positivo: com a melhoria da interação dos usuários com a ferramenta de busca, as vendas aumentaram 24%.

walmart-case-campanhas-de-natal

Embora apostar na otimização da experiência de compra do consumidor promovendo melhorias no site não seja uma novidade no universo do comércio eletrônico, ações como essa nem sempre são colocadas em prática.

Investir em um site preparado para oferecer compras práticas e rápidas aos consumidores é algo que faz toda a diferença – especialmente em épocas de alta demanda, como o Natal. Encontrar formas de recomendar produtos neste período também é uma estratégia de ouro para impulsionar as vendas, auxiliando aqueles que entram na loja ainda sem saber o que comprar.

Neste cenário, investir em marketplaces, como o próprio Walmart, é uma grande vantagem: afinal, essas plataformas já trabalham com essas técnicas e melhorias, deixando os produtos de cada seller ainda mais atrativos.

Ainda não vende em marketplaces? Não perca mais tempo! Baixe o nosso e-book gratuito e saiba como alcançar o sucesso atuando nesses canais.

finalizar a compra no e-commerce

Primeiros passos para o planejamento 2017 nos marketplaces ?>

Primeiros passos para o planejamento 2017 nos marketplaces

Com um novo ano inteiro pela frente, é hora de se despedir de 2016 e abrir caminho para dias ainda melhores. E, para o lojista virtual, este é o momento de começar a pensar no planejamento 2017 nos marketplaces.

Os marketplaces são canais de venda com grande potencial de vendas e alto nível de competitividade. Por isso, estar sempre armado com as melhores estratégias para se destacar, atrair consumidores e fidelizar clientes é fundamental.

Para estar com tudo preparado para o ano novo, é preciso organizar-se com antecedência: planejamento leva tempo e exige atenção e pesquisa. Encarar a agenda vazia é desafiador, mas algumas medidas práticas podem ajudar na estruturação de estratégias de sucesso para cada um dos meses futuros.

Confira os primeiros passos para o planejamento 2017 nos marketplaces e comece a se organizar!

1. Faça uma avaliação de 2016

Antes de começar a pensar em 2017, pare para avaliar como foi o seu 2016. Verifique como foram suas vendas em cada marketplace: número de pedidos, produtos mais vendidos, datas com maior demanda.

Os resultados da avaliação são fundamentais para começar a traçar o novo planejamento. Essa análise vai te ajudar a identificar que estratégias funcionaram melhor, quais são os principais pontos a serem melhorados e problemas a serem resolvidos.

2. Defina metas e objetivos

Para pensar em ações, é preciso, primeiro, saber que objetivos você deseja alcançar. Coloque no papel quais são suas metas para o ano – tanto em âmbito geral quanto de forma específica para cada canal de venda.

Lembre-se que é importante estabelecer metas possíveis, reais e mensuráveis. Portanto, defina metas quantificáveis e já pense em como você poderá medir os resultados de cada objetivo.

3. Revise seus anúncios e estratégias de precificação

Seus anúncios são atrativos? Como está seu posicionamento dentro dos marketplaces? O que é possível fazer para entrar ou permanecer na buy box? Pensando em tudo isso, revise seus anúncios em cada plataforma: títulos, descrições, imagens, preços. Respeite as características específicas de cada marketplace e trabalhe em melhorias.

Nesta etapa, você já conhece seu desempenho em 2016 e sabe também que metas pretende alcançar. Portanto, atente-se para revisar anúncios e preços para cada marketplace também levando em conta essas informações.

4. Fique de olho nas datas importantes

Em um planejamento anual, saber quais datas são importantes para criar campanhas e ações promocionais é imprescindível – especialmente em um ambiente competitivo como o marketplace.

Anote grandes datas comemorativas, como Dia das Mães e Black Friday, e outras datas que podem ser importantes para o seu nicho. Não se esqueça também de ficar atento para eventos especiais para cada marketplace, como os meses de aniversário ou de aumento de vendas.

5. Conte com uma ferramenta de integração

Se você ainda não conta com uma ferramenta de integração de marketplaces, é hora de investir! Dessa forma, você tem o que precisa para gerenciar pedidos, estoque e atendimento em uma única plataforma.

A integração é uma aliada valiosa para deixar o gerenciamento de vendas mais ágil e prático. Economizando tempo em tarefas como o cadastramento de anúncios e atualização de estoque, você pode se concentrar em desenvolver campanhas e estratégias de venda, deixando o planejamento 2017 nos marketplaces muito mais dinâmico.

O Hub ANYMARKET te ajuda a ter mais tempo para planejar um 2017 incrível nos marketplaces! Solicite uma demonstração gratuita e descubra como a ferramenta pode te ajudar a se destacar no ano novo!

CTA-MARKETPLACE-DEMONSTRACAO-ANYMARKET

Por que vender nos marketplaces? ?>

Por que vender nos marketplaces?

Acesse o artigo publicado originalmente no E-commerce Brasil.

Vive-se a era digital, dos desafios tecnológicos e alinhamentos de estratégias ligadas à combinação dos mundos físico e virtual. Hoje, por exemplo, precisava comprar lentes de contato e fui verificar o preço em uma loja física e o valor da caixa com três pares de lentes era de R$110,00. Em seguida, entrei no Google e buscando o preço na Internet, encontrei o mesmo produto da mesma marca em Marketplaces e E-commerces por R$67,45 e ainda com frete grátis.

Isso mesmo, R$42,55 mais barato, ou seja, 38,68% a menos no mundo virtual do que no físico. E aí, qual decisão você tomaria?

Como encontrei o mesmo produto pelo mesmo preço tanto em um e-commerce quanto em um marketplace, optei por comprar no marketplace. Mas aí você pode me perguntar: “por que, Nôga?” O porquê é simples: me senti mais segura comprando do marketplace. Conheço várias pessoas que fazem o mesmo. Costumo só comprar direto do e-commerce quando já comprei dele no marketplace e tive uma boa experiência de compra.

Diante disso, resolvi trazer para você: lojista que possui um e-commerce, loja física, indústria ou distribuidora e está pensando em aliar estratégias físicas e online as principais vantagens de se vender nos marketplaces:

Credibilidade: os Marketplaces são nomes conhecidos do varejo e proporcionam credibilidade para os lojistas e consequentemente confiança do consumidor no processo de compra;

Clientes para seu e-commerce: uma vez que o cliente teve uma boa experiência de compra de um lojista no marketplace, é provável que ele procure seu site, ademais o cliente é do lojista on-line e não do marketplace, sendo que estratégias podem ser trabalhadas para trazer o cliente para seu site, como por exemplo, envio de cupom de desconto junto ao produto para compra no e-commerce;

Boa Experiência online: os Marketplaces costumam investir em tecnologia de última geração, o que garante velocidade e alta disponibilidade do site, resultando em uma boa experiência de compra on-line para o cliente;

SEO: os Marketplaces investem de modo massivo em marketing, google adwords, o que auxilia na otimização do SEO da sua empresa;

Aumento das Vendas: conheço vários lojistas que possuem 80% das operações voltadas para Marketplaces, visto que vende-se muito mais via Marketplaces do que E-commerces. Mas por quê? Devido aos pontos acima referendados pelos Marketplaces: Credibilidade, Boa Experiência, investimento massivo em Marketing e otimização do SEO.

Mas até agora só falei de prós para entrada de lojistas no marketplaces, vamos aos contras então. Os marketplaces cobram uma comissão para vendas dos produtos para oferecer os benefícios supra-citados, os quais precisam ser considerados na formação do preço de venda, além disso, ao ingressar em mais canais de vendas supõe-se mais vendas e consequentemente maior controle de estoque, vendas, notas fiscais, logística, que não podem ser negligenciados, pois são fatores críticos de sucesso na operação on-line.

Assim, é de suma importância estabelecer estratégias que lhe garantam resultados eficazes, pois quando não se sabe para onde quer ir, qualquer caminho serve.

“Onde fica a saída?”, perguntou Alice ao gato, que ria.

“Depende”, respondeu o gato.

“De quê?”, replicou Alice;

“Depende para onde você quer ir…”

Desejo-lhe sabedoria e sucesso para a escolha das melhores estratégias para seus negócios!

Quer começar a vender nos marketplaces?
O primeiro passo é se cadastrar nos marketplaces que você deseja participar e fazer a contratação.
Abaixo estão os links de cada marketplaces:

Mercado Livre – http://www.mercadolivre.com.br/marketplace 
Cnova – http://marketplace.br.cnova.com/
B2W – https://www.bonmarketplace.com.br/
Walmart – https://marketplace.walmart.com.br/
Netshoes – http://www.netshoes.com.br/marketplace/
Grupo GFG (Dafiti, Tricae e Kanui) – http://marketplace.dafiti.com.br/

Black Friday: estratégias de venda nos marketplaces ?>

Black Friday: estratégias de venda nos marketplaces

Com a aproximação da Black Friday, a preparação dos e-commerces para o evento se intensifica. A sexta-feira de promoções acontece, neste ano, no dia 25 de novembro e promete movimentar lojas e consumidores, em um gigantesco potencial de vendas.

Nos marketplaces, o tráfego de consumidores em busca de produtos em oferta é altíssimo durante a Black Friday e os sellers têm grandes chances de impulsionar suas vendas e chegar a novos clientes.

Para aproveitar a data, é preciso planejar-se com antecedência e ter clareza de quais estratégias pretende empregar. Pensando nisso, selecionamos algumas dicas que podem ajudar no planejamento para o evento. Confira!

O principal atrativo é o preço baixo

Black Friday é sobre preços baixos: é isso que os consumidores esperam e buscam nesta data. Para participar do evento, você precisa pensar em como conseguir um preço competitivo para chamar a atenção de quem pretende aproveitar a sexta-feira para fazer compras.

Vale lembrar que é importante chegar a um valor adequado e bem pensado, de acordo com suas estratégias de precificação, para não ter problemas e não acabar no prejuízo. Além disso, cuidado com as falsas promoções! Faça ofertas com descontos reais – o consumidor vai saber se a sua promoção não for verdadeira e isso não será positivo para a sua imagem.

Entrar ou não na buy box?

Ter seu anúncio na buy box do marketplace pode alavancar suas vendas em grande escala, especialmente durante a Black Friday. Para conseguir o destaque, é preciso ficar de olho nos requisitos específicos de cada marketplace e, no geral, oferecer o preço mais baixo entre seus concorrentes.

Porém, tentar ou não o destaque do seu anúncio na buy box não é a única estratégia possível; é uma escolha. Pensando nos seus objetivos de venda, estoque e sistema de logística, talvez faça mais sentido para seu e-commerce não aparecer na buy box em um primeiro momento. Faça essa escolha de forma consciente, pondo na balança o preço final, os custos e suas condições operacionais para decidir o que vai funcionar melhor para sua loja.

Selecione produtos para trabalhar

Black Friday não significa necessariamente baixar o preço de todos os seus produtos. Selecione os produtos que entrarão na promoção e que terão a venda trabalhada no evento. Você pode escolher seus itens mais vendidos ou produtos que têm baixo giro para impulsionar a venda – tudo vai depender dos seus objetivos. De qualquer forma, certifique-se de que o mix selecionado tenha boa disponibilidade em estoque para não acabar vendendo o que não tem.

Considere ampliar a equipe durante o evento

A consequência mais provável da combinação preço baixo + Black Friday + venda online é a alta nas vendas. Mas, vender muito não é tudo o que importa: é preciso conseguir entregar tudo o que foi pedido, cumprindo os prazos prometidos.

Para dar conta do aumento da demanda, uma boa estratégia pode ser ampliar a equipe de trabalho na Black Friday – tanto para o atendimento aos clientes durante o período de promoções quanto para as ações operacionais que se seguem.

Prepare-se com antecedência

Seja qual for a estratégia escolhida, é preciso que ela esteja definida com clareza e com antecedência. O ideal é estabelecer suas estratégias pelo menos uma semana antes do dia de promoções, quando as vendas já começam a aumentar.

Além disso, alguns marketplaces congelam a alteração de preços com a proximidade do evento. Portanto, é fundamental verificar as regras da plataforma e estar preparado para não ser pego desprevenido.

Quer saber como preparar melhor o seu e-commerce para a Black Friday dentro dos marketplaces? Baixe já o nosso e-book gratuito!

baixe-o-ebook-como-se-preparar-para-a-black-friday-nos-marketplaces

5 dicas para aumentar a relevância dos anúncios nos marketplaces ?>

5 dicas para aumentar a relevância dos anúncios nos marketplaces

Um dos principais desafios da atuação em marketplaces é conseguir se destacar em meio a tantos produtos e lojistas concorrentes. Para conseguir seu lugar ao sol, trabalhar a relevância dos anúncios nos marketplaces é indispensável – afinal, é assim que você conseguirá chegar a mais consumidores e, consequentemente, aumentar as chances de venda.

A relevância do anúncio influencia o posicionamento na buy box, caixa que dá destaque à oferta de um determinado seller e que acaba chamando a atenção do consumidor. Para chegar lá, melhores condições de preço e de frete são importantes, mas não são tudo.

Confira algumas dicas para aumentar a relevância dos seus anúncios nos marketplaces!

1. Pense nas buscas

A ferramenta de busca é uma das principais formas do consumidor chegar até seu produto dentro de um marketplace. Por isso, é imprescindível otimizar títulos e textos de descrição para que os produtos sejam encontrados facilmente. Trabalhe as palavras-chave corretamente, use títulos claros e objetivos.

2. Utilize imagens de qualidade

Na hora de cadastrar seus produtos no marketplace, a inclusão de fotos de boa qualidade é fundamental. Além de ser importante para que o consumidor conheça o produto, os marketplaces geralmente consideram a qualidade do produto como um fator essencial de relevância. Prefira imagens com alta resolução, fundo branco e sem marcas d’água.

3. Capriche nas descrições e especificações

Em sua maioria, os marketplaces consideram o cadastro de descrições e especificações de produtos detalhadas como um ponto forte para relevância dos anúncios. Atenha-se às principais características do produto, produzindo um texto claro e informativo. Aproveite para pensar nesse conteúdo de acordo com boas práticas de SEO e trabalhe palavras-chave.

4. Cadastre o EAN dos produtos

O EAN (European Article Number), conjunto de dígitos que acompanha o código de barras, é o código que identifica e traz as informações de um produto. Nos marketplaces, o cadastro do EAN ajuda na identificação do produto e na associação deste a ofertas já cadastradas, o que agiliza a validação e aumenta a relevância do anúncio. Além disso, o código contribui para que o consumidor encontre mais facilmente um produto específico na busca e tenha mais segurança para diferenciar itens similares.

O cadastro do EAN é feito, geralmente, no momento de cadastramento do produto no marketplace. Caso você não tenha o código, entre em contato com o fabricante ou fornecedor.

5. Ofereça um bom atendimento

Alguns marketplaces, como o Mercado Livre, consideram a reputação e avaliação do seller pelos clientes como um ponto importante na relevância do anúncio. Por isso, oferecer um bom atendimento, estar atento às perguntas e dúvidas de clientes e entregar os pedidos no prazo prometido são ações que colaboram não apenas para boas experiências de compra, mas também para que seus anúncios se tornem mais relevantes dentro das plataformas.

Vale ressaltar que cada marketplace tem suas especificidades e condições próprias para considerar um anúncio mais ou menos relevante. Saiba quais as regras do Mercado Livre, B2W, Cnova, Walmart e marketplaces de moda clicando aqui.

Como escolher o melhor integrador para seu e-commerce bombar as vendas nos marketplaces ?>

Como escolher o melhor integrador para seu e-commerce bombar as vendas nos marketplaces

Acesse o texto publicado originalmente no E-commerce Brasil.

Quem é do mundo do e-commerce sabe que não se fala em outra coisa que não seja vender nos marketplaces. Eles são canais de altíssima audiência e trazem muita exposição dos seus produtos para um número realmente alto de pessoas em todo o país.

Ainda não atingimos nem 50% da população brasileira comprando ativamente pela internet, mas os números de audiência desses canais, marketplaces como são chamados, são gigantescos, totalizando milhões de visualizações ao mês, isso mesmo, eu disse ao mês.

É fácil perceber que esse modelo veio para ficar e tem dado condições para que pequenas empresas aumentem brutalmente suas vendas em pouco espaço de tempo, uma vez que mesmo que investissem pesado em marketing digital não conseguiriam números nem perto dos níveis atingidos pelos canais mais fracos, por assim dizer.

Porém, é sempre importante lembrar que todo esse volume de vendas irá gerar vários pontos de pressão dentro das empresas que utilizam marketplaces como estratégia de crescimento. Isso porque, com o aumento de vendas, toda a cadeia interna será pressionada ao máximo e é de suma importância ter um plano para lidar com esse cenário.

O plano deve ser simples, direto e, dentre outras coisas, precisa identificar quais são as melhores ferramentas tecnológicas para operar com altos volumes de venda sem aumentar os custos ou mesmo criar gargalos intransponíveis.

Sem sombra de dúvidas, um aliado poderoso para operar com eficiência nos marketplaces, com agilidade e redução de custos além de baixa incidência de erros é o uso de um Marketplace Hub ,ou, como também é conhecido, Integrador de Marketplaces.

Atualmente existem várias opções no mercado e continuam aparecendo mais. Essa ferramenta tem a missão de garantir que seu estoque esteja sempre atualizado, independentemente em que canal você tenha vendido.

Agilidade e estabilidade são itens muito críticos neste sentido, já que de nada adiantará ter seus produtos expostos nas “prateleiras” dos melhores marketplaces do país como Casas Bahia, Lojas Americanas, Mercado Livre, Walmart, se não houver estoque disponível, na quantidade certa, pelo preço certo, com o anúncio certo e por aí vai.

Mas como escolher o melhor integrador do mercado?

Separei alguns pontos que você deve se ater ao fazer essa escolha. São eles:

  1. Estabilidade: o integrador deve ter foco na estabilidade, uma boa reputação neste quesito. Esse ponto geralmente é a linha de corte que separa os aventureiros das empresas mais focadas e sérias;
  2. Neutralidade comercial: recomendamos que procure conhecer mais sobre o fornecedor do integrador e o quanto ele é neutro comercialmente, ou seja, se possui vínculos com outras empresas (marketplaces) que atuam como concorrentes de seu negócio. Para algumas categorias de produtos isso pode ser fatal;
  3. Arquitetura assíncrona: deve atuar de maneira independente entre processos e em tempo real. Mesmo grandes ferramentas de mercado, que falam que atuam em tempo real, ainda trabalham por ciclos e isso faz com que você fique descoberto até o ciclo ocorrer a cada 15 minutos ou até mesmo 1 hora. Nos casos em que os níveis de estoques são “rasos”, isso acarreta sérios problemas;
  4. Estrutura para altos volumes: além de atuar por demanda ou assíncrona, deve ter preparação para lidar com grandes volumes – e aqui quero dizer realmente grande, deve ser capaz de lidar com filas de pedidos, números de SKU´s altos e atualizações de estoques sem travar;
  5. Orientação a serviço: a empresa que fornece o Integrador deve ter uma cultura organizacional e empresarial voltada a serviço e excelência. Busque empresas que possuam algum selo de qualidade internacional que referencie e ateste seus processos e procedimentos internos;
  6. Multi-canal de atendimento: é importante pensar que não ligamos para nosso fornecedor quando as coisas estão bem, na verdade, nem lembramos que eles existem. Somente quando estamos passando por alguma instabilidade ou problema que recorremos a ele, por isso precisamos ter acesso rápido ao fornecedor e este deve oferecer mais de um meio para esse atendimento;
  7. Estrutura empresarial: não estou dizendo que uma empresa pequena com apenas 20 funcionários não seja capaz de realizar um trabalho de qualidade, mas é mais seguro para sua empresa que seu fornecedor tenha departamentos mais robustos, que possuam funções definidas para lhe dar o suporte adequado ao seu crescimento;
  8. Não escolher apenas por preço: esse é um ponto crítico, pois muitas empresas escolhem seus fornecedores pura e simplesmente pelo preço de seus serviços, não levando em consideração a relação custo-benefício que este oferece. Não estou sugerindo contratar o mais caro, por erroneamente pressupor que seja o melhor, nem tampouco radicalizar e contratar o mais barato, mas procure conhecer o número de clientes, quais são os serviços e funcionalidades inclusas e peça referências sobre este fornecedor;
  9. Fidelidade contratual: busque um fornecedor que não apresente cláusulas de fidelidade contratual que obrigue sua permanência. Lembre-se que sua empresa deve gostar do fornecedor e desejar continuar a parceria e não ser obrigada a ficar por causa de uma multa ou coisa do tipo;
  10. Funcionalidades: procure conhecer quais são as funcionalidades que a ferramenta apresenta. Uma boa forma de fazer isso é pedindo uma demonstração, vale lembrar que as funcionalidades devem servir para auxiliar você a impulsionar suas vendas;
  11. Capacidade de Evolução: o mercado de e-commerce é muito competitivo, busque conhecer como seu futuro integrador planeja e trabalha a evolução do serviço ou ferramenta;
  12. Desconfie se houver muitas promessas durante a apresentação: todos já passamos por uma compra onde o vendedor enrolou e prometeu mais do que sabia que entregaria. Por se tratarem de serviços tecnológicos que dependem de milhares de elementos, muitas vezes externos ao fornecedor, problemas podem ocorrer. Mesmo a ferramenta mais estável do mercado poderá ficar “fora do ar”, desconfie se o vendedor estiver garantindo 100% de disponibilidade ou mencionar coisas do tipo: “Nossa ferramenta nunca fica indisponível”, isso simplesmente não existe. O que existe são ferramentas e empresas que têm menor índice de incidência de problemas e métodos mais eficazes para contorna-los quando os mesmos ocorrem, pois em algum momento eles ocorrerão.

Bons negócios e ótimas vendas!

Como potencializar suas vendas no Walmart com o ANYMARKET ?>

Como potencializar suas vendas no Walmart com o ANYMARKET

O Walmart é um dos principais marketplaces do mundo e uma das empresas com maior faturamento por ano. No Brasil, a rede também já ocupa local de destaque no mercado e saber como vender no Walmart pode fazer a diferença para o lojista virtual.

Presente em 27 países, a abrangência em quantidade e variedade de produtos e lojistas integrados ao Walmart é gigantesca. Com abrangência de entrega em 100% dos CEPs brasileiros, o marketplace é um dos principais pontos de busca de produtos pelos consumidores, como confirmam os números da empresa:

  • 1 bilhão de consumidores mensais no mundo;
  • 23 departamentos no Brasil;
  • 11 milhões de usuários únicos;
  • 60% de crescimento no faturamento em 2013.

Neste texto você descobre quais são as categorias mais vendidas, como começar a vender e como aumentar a relevância dos anúncios no Walmart. Confira!

Categorias mais vendidas

As categorias mais vendidas no Walmart são Cultura e Lazer, Estilo e bem estar, Celulares/Telefones, Eletrodomésticos, Áudio/Vídeo, Eletroportáteis, Informática, Automotivo, Móveis/Decoração.

Requisitos de entrada

Para começar a vender no Walmart, o lojista deve fazer um cadastro online e esperar a aprovação da empresa. O cadastro pede dados como CNPJ, contatos, informações sobre presença online e reputação, dimensão da empresa e nicho.

Como aumentar a relevância dos anúncios

Para ter o anúncio aprovado pela equipe do Walmart, o lojista precisa ter foco no conteúdo. A qualidade de títulos, descrições e especificações de produto serão levadas em consideração e é preciso que esses componentes estejam claros e condizentes com a oferta.

As imagens também merecem atenção especial. As fotos de produto devem ter boa qualidade (arquivos com no mínimo 400×400 px), com fundo branco e sem marca d’água.

O cadastro do EAN dos produtos é essencial para a catalogação de cada item pela equipe do marketplace, que organiza produtos iguais em uma mesma página. Para aparecer na buy box, são selecionados os produtos com menor preço.

Otimização com o ANYMARKET

Com a integração com o Hub ANYMARKET, o cadastramento de produtos em grande quantidade é feito com praticidade e você pode focar em melhorar a qualidade do conteúdo dos anúncios – o que vai, consequentemente, influenciar no desempenho de vendas.

O gerenciamento das ações nos marketplaces fica muito mais prático com o ANYMARKET! Conheça outras funcionalidades da ferramenta.

Confira também as especificidades de outros marketplaces:

Precificação nos marketplaces: dicas para melhorar sua estratégia ?>

Precificação nos marketplaces: dicas para melhorar sua estratégia

Na hora da compra, a decisão final é, muitas vezes, baseada no preço. A precificação nos marketplaces é de extrema importância para as vendas. Afinal, o preço competitivo é um dos requisitos para aparecer na BuyBox e pode ser o motivo principal para que o consumidor feche a compra com você.

Estabelecer bons preços, porém, nem sempre é tão simples. Não basta observar o valor praticado pela concorrência e diminuir uns poucos reais. É preciso fazer cálculos cuidadosos e pensar na sua própria atuação para chegar ao preço ideal para você – é o que alerta Luiz Pereira, diretor comercial da Precifica, plataforma brasileira de precificação inteligente.

“O alto nível de concorrência não deve levá-lo a vender com prejuízo. Por essa razão, é imperativo que o varejista tenha um processo de formação de preços bem ajustado, levando em consideração todos os custos e despesas para garantir margens saudáveis de venda dos seus produtos nos marketplaces”, pontua Pereira.

Para te ajudar a conseguir o melhor resultado, selecionamos dicas para otimizar suas estratégias de precificação nos marketplaces. Confira!

1. O preço é apenas um dos componentes da estratégia

Preço não é tudo o que importa. Este certamente é um fator importante, mas não deve ser o único elemento a se pensar na hora de construir uma estratégia de precificação eficiente dentro dos marketplaces. Além do preço final do produto, considere seus custos operacionais, as regras e dinâmicas de cada marketplace, as características do produto, seu sistema de logística.

2. Concentre esforços nos produtos mais vendidos

É provável que alguns dos seus produtos sejam os responsáveis pelo maior número de vendas. Assim sendo, concentrar seus esforços nos itens de maior giro pode fazer maravilhas pelo seu desempenho.

Saber quais são os seus produtos mais vendidos vai te ajudar a fazer escolhas. Mantenha seu estoque sempre atualizado e preocupe-se em criar boas estratégias de preço e promoções para seus hits.

3. Acerte no cálculo de preço

O cálculo do preço ideal de um produto deve ser cuidadoso e bem pensado. Afinal, qualquer erro pode resultar em prejuízo. Vale ressaltar que ter como base de informação os valores praticados pelos concorrentes é importante, mas não deve ser o único ponto a se considerar.

O preço final de um produto é composto pelo custo do produto, o custo de operação, o custo de vendas e o total de lucro desejado para cada unidade. Não é incomum que lojistas não tenham controle exato de cada um desses componentes, mas conseguir calculá-los corretamente vai impactar positivamente as estratégias de precificação.

4. Busque a redução de custos

Uma ótima alternativa para deixar seus preços mais competitivos é reduzir os custos. Quanto mais você conseguir diminuir os custos, mais chances você tem de aumentar seu lucro ou de oferecer preços mais baixos para o consumidor.

Assim, busque a redução dos custos operacionais, aumentando o desempenho da equipe, investindo em automatização, cortando despesas que não sejam imprescindíveis, apurando e mapeando cada gasto. Negociar e comprar melhor os produtos do fornecedor também é uma boa maneira de reduzir custos.

5. Trabalhe com preços diferentes em canais diferentes

Será que o melhor preço para um produto que você vende no Mercado Livre será o mesmo quando vendido na B2W ou no site do seu e-commerce? Pode ser que não.

“Cada marketplace conta com um conjunto diferente de vendedores, obrigando que suas estratégias de precificação sejam diferenciadas. Um outro importante ponto está relacionado ao público-alvo, que tende a ser diferente em cada marketplace, tendo assim uma percepção diferente de preço para o seu produto ofertado. Por tudo isso, passa a ser fundamental tratar o tema precificação de forma diferenciada nos marketplaces entendendo que são canais de vendas diferentes entre si”, explica Pereira.

6. Aposte em uma ferramenta de precificação

Ferramentas de precificação inteligente são muito úteis para automatizar o processo de monitoração de concorrentes e atualização de preços. Essas ferramentas trabalham com a atualização conforme parâmetros pré-definidos por você e garantem um preço competitivo e adequado a seus objetivos.

“Estimativas apontam que 80% das vendas nos marketplaces são realizadas a partir do BuyBox.  Utilizar uma ferramenta de precificação num ambiente de alta competitividade irá ampliar as chances de alcançar o BuyBox e garantir rentabilidade nas vendas nos marketplaces”, comenta Pereira.

Com o ANYMARKET, Hub de integração de segunda geração, você consegue integrar seu e-commerce a ferramentas de precificação parceiras, como a Precifica, e simplifica o gerenciamento das operações da sua loja nos marketplaces! Saiba mais sobre nossas integrações e veja como o ANYMARKET pode ajudar na gestão do seu e-commerce.

Como potencializar suas vendas na Cnova com o ANYMARKET ?>

Como potencializar suas vendas na Cnova com o ANYMARKET

Os marketplaces do grupo Cnova são alguns dos mais populares do varejo online. O grupo é formado por quatro sites: Casas Bahia, Extra, Ponto Frio e Cdiscount. Para entender como vender na Cnova, é preciso ter foco em mix de produtos e qualidade de anúncios.

A Cnova é pioneira na atuação de grandes marcas como marketplaces no Brasil: o Extra.com começou a atuar como marketplace já em 2013. Hoje os sites do grupo atraem milhões de visitantes ao mês e concentram alto volume de produtos e vendas, segundo dados da empresa:

  • 3,3 mil lojistas ativos;
  • 60 milhões de visitantes únicos por mês;
  • 2 milhões de ofertas ativas no Extra.com.

Saiba como vender na Cnova, quais as categorias mais vendidas e como aumentar a relevância dos seus anúncios para potencializar suas vendas! Confira.

Categorias mais vendidas

As categorias mais vendidas nos marketplaces do grupo Cnova são Telefonia, Eletrodomésticos, Móveis, Informática, Eletroportáteis. Produtos de nicho e cauda longa também têm bom desempenho, ainda que comprados em menores quantidades.

Requisitos de entrada

Para começar a vender na Cnova não é necessário ter um e-commerce, mas é preciso que o lojista esteja habilitado a emitir nota fiscal eletrônica e tenha CNPJ. A taxa de comissão do marketplace é de, em média, 16%.

Depois de ter seu cadastro aprovado, o lojista passa por treinamentos para compreender melhor a plataforma, como cadastrar produtos e construir anúncios. É indicado que o seller tenha alguém para manter contato com a equipe do marketplace, o que vai afinar as estratégias e ofertas, otimizando o desempenho de vendas.

Como aumentar a relevância dos anúncios

Para vender bem nos marketplaces da Cnova é essencial que o lojista esteja sempre com o portfólio e estoque completos e atualizados. A precificação também é fundamental; especialmente para a exibição do anúncio na buy box: são selecionadas as melhores ofertas, considerando o preço do produto mais o valor do frete.

A qualidade dos anúncios também é prioridade. Para criar um anúncio de qualidade, é preciso que o seller defina títulos claros e otimizados para SEO, descrições completas e detalhadas, imagens sem marca d’água e boa resolução.

As políticas de frete são definidas pelo lojista e é imprescindível que os prazos de entrega estipulados sejam cumpridos. A nota de qualidade com base nos critérios da Cnova – atendimento ao cliente, atraso nas entregas e tratamento das reclamações, por exemplo – também é levada em conta para a exibição de anúncios na buy box.

Otimização com o ANYMARKET

A integração com o Hub possibilita a praticidade no cadastro de SKUs e na qualidade do conteúdo dos anúncios. A manutenção de estoque e portfólio atualizados, ponto de grande importância na venda na Cnova, também é facilitada na integração com o ANYMARKET, que sincroniza e atualiza os estoques de todos os produtos cadastrados.

Conheça mais funcionalidades do ANYMARKET e gerencie sua atuação nos marketplaces com mais agilidade!

Confira também as especificidades de outros marketplaces:

Como potencializar suas vendas na B2W com o ANYMARKET ?>

Como potencializar suas vendas na B2W com o ANYMARKET

Conhecer as especificidades de cada marketplace faz toda a diferença na hora de pensar em suas estratégias de venda. Já falamos aqui das especificidades do Mercado Livre e agora apresentaremos as principais características dos marketplaces do grupo e como vender na B2W.

O grupo B2W é formado por alguns dos marketplaces mais conhecidos e populares: Americanas.com, Submarino e Shoptime. São marcas top of mind que trabalham com uma ampla variedade de categorias de produtos, abrangendo desde eletrônicos até artigos de moda e beleza.

Segundo relatório da empresa, em 2015 os marketplaces do grupo atingiam uma base de mais de 2.500 sellers. Os números relacionados a visitas e compras nos sites também são atrativos:

⦁ 1 a cada 4 compras é feita em marketplaces da B2W;
⦁ 21 milhões de visitantes únicos por mês;
⦁ 450 milhões de pageviews por mês;
⦁ 60 milhões de buscas mensais.

A seguir você encontra as categorias mais vendidas, os requisitos para começar a vender e regras para melhorar a relevância dos anúncios e tem as ferramentas necessárias para otimizar seu desempenho nos marketplaces da B2W. Confira!

Categorias mais vendidas

As categorias de produtos mais vendidas nos Marketplaces da B2W são Telefonia, Eletrônicos, Móveis, Beleza e Saúde, Games, Eletrodomésticos, Automotivo.

Requisitos de entrada

Para vender nos Marketplaces da B2W, não é exigido do lojista tempo de e-commerce obrigatório. Porém, o ideal é que o vendedor tenha experiência com emissão de nota fiscal e despacho de produtos no prazo, para conferir excelência à entrega.

Por enquanto, o grupo não aceita lojistas cadastrados como MEI, exige avaliação favorável no Reclame Aqui e considera a avaliação E-bit como um diferencial.

Como aumentar a relevância dos anúncios

Os anúncios da B2W são catalogados pela equipe e, por isso, é preciso tomar alguns cuidados para aumentar a relevância e conseguir destaque na buybox.

O cadastro dos produtos deve ser feito com utilização do EAN, contar com descrições detalhadas e deve-se utilizar títulos pensados para SEO. Além disso, as imagens de produto devem estar em boa qualidade e sem marca d’água.

Para ganhar destaque, é preciso ser também o vendedor com melhor condição comercial. Isso significa que o produto deve apresentar o melhor preço (de pelo menos 1% abaixo em comparação aos outros), o melhor frete e no mínimo dez avaliações positivas de clientes.

Otimização com o ANYMARKET

Para se adequar ao ideal da B2W, o lojista ganha muito com a integração com o Hub ANYMARKET. Com a funcionalidade de cadastramento de produtos em lote, o lojista consegue cumprir as principais exigências indicadas para aumentar a relevância dos anúncios de forma prática e rápida. Com a possibilidade de automatizar a logística dos pedidos, gerenciar as condições de frete fica mais simples, o que possibilita que as estratégias possam ser constantemente melhoradas.

Com o Hub de integração ANYMARKET você otimiza o seu tempo no gerenciamento dos produtos nos marketplaces e pode se concentrar em pensar nas ofertas mais competitivas para melhorar suas vendas. Saiba mais sobre as funcionalidades do ANYMARKET!