Você sabia que a integração de produtos nos marketplaces é uma boa oportunidade de alavancar as vendas? No Brasil, 95% dos consumidores que compram online utilizam marketplace. Ou seja, independente do seu nicho de mercado, é provável que seu cliente esteja por lá. Por esse motivo, elencamos algumas estratégias importantes, que praticamos com nossos clientes na Wave, para que você possa vender cada vez mais no marketplace.

 

1 – Realizar um planejamento prévio

Antes de mergulhar nesse mundo, tenha consciência de tudo que é necessário ser estruturado. Se você não organizar essas questões previamente, se corre o risco de perder em reputação e relevância, que são fatores levados em consideração para visibilidade dentro dos canais. Ou seja, se o seu score baixar muito, você não aparece e perde vendas. Portanto, considere o seguinte checklist:

 

✓ Seleção dos produtos

Essa etapa depende muito da estratégia que será adotada. Por exemplo, se você tem um e-commerce e quer ingressar no marketplace, normalmente a indicação é começar com a colocação de produtos curva A, ou seja, aqueles mais vendidos. Se você tem uma loja física, no entanto, e alguns produtos estão parados sem giro, uma boa estratégia pode ser disponibilizá-los no marketplace, com preços competitivos, para que sejam vendidos.

 

✓ Escolha dos marketplaces

Alguns marketplaces possuem segmentos mais definidos, como a Magazine Luiza, que trabalha com eletrodomésticos e ventilação. Ou seja, não faz sentido querer estar presente nesse canal se você não vende produtos relacionados a essas seções. Além disso, opte sempre pelos canais os quais a sua persona costuma acompanhar, pois é ela que você precisa alcançar.

 

✓ Negociação com os canais

Normalmente, os marketplaces não cobram um valor para criar os seus anúncios, e sim uma porcentagem quando você vende, que é a chamada taxa de comissão. Essa taxa varia de acordo com o tipo de anúncio, produto, frete e visibilidade. Apesar disso, é recomendável que você negocie com esses canais, com o objetivo de reduzir a taxa, principalmente se o seu volume de vendas é bom.

 

✓ Organização da logística

É necessário considerar toda a parte de embalar e enviar os seus produtos. Cada marketplace tem regras específicas sobre isso, e você precisa estar por dentro de cada uma delas. Atrasar os pedidos faz com que a relevância da loja caia muito. Portanto, esteja preparado para todo o processo antes de começar as vendas, protegendo sua reputação.

 

2 – Controlar o estoque

Se você vende em diferentes canais, é indispensável o investimento em um ERP, que é um sistema de gestão empresarial. Basicamente, é onde você concentra todas as atividades da loja, desde o administrativo até o operacional. Dessa forma, você unifica o seu estoque, atualizando tudo na mesma ferramenta, independente do canal que a venda está acontecendo. É a melhor forma para que não haja erro no estoque e você não realize uma venda de algo que, efetivamente, não está mais disponível.

3 – Precificação

Dificilmente você será o único a vender o seu produto dentro de algum marketplace, considerando a variedade de lojistas que esses canais têm. A dica para vender mais é monitorar os preços dos concorrentes, buscando oferecer sempre as melhores condições. Além disso, é super importante ficar atento às campanhas promocionais – tanto as que já devem estar no seu calendário tradicional, como natal, por exemplo, quanto às campanhas próprias dos marketplaces, como a “Semana do Eletro”, em que a participação geralmente aumenta sua visibilidade.

4 – Garantir que sua marca esteja presente no Google

Colocar o seu nome no marketplace não basta. Hoje em dia, cada vez mais os consumidores estão atentos às especificações dos vendedores, mesmo que em sites conhecidos como é o caso dos marketplaces. Ou seja, algumas pessoas irão procurar o nome da sua marca no Google, e você precisa garantir que elas encontrem as informações corretas. Para isso, mesmo que você não tenha um e-commerce próprio, é muito importante ter um site institucional, pelo menos – aquele bem simples em que você encontra dados sobre a criação da empresa, serviços/produtos, endereço e etc.

Ter um site próprio passa mais credibilidade e segurança para o cliente, evitando que ele abandone uma compra por falta de referências. Além de estar presente com o seu site, você também precisa se preocupar em ocupar as primeiras colocações do Google. Isso porque, provavelmente, o consumidor não irá despender muito tempo realizando a busca pelo seu nome. Se você não aparecer nos primeiros resultados, a tendência é que ele desista e não finalize a compra. Portanto, considerando a dificuldade de ter uma boa colocação no orgânico, pode ser necessário investir em Google Ads, que é o anúncio patrocinado.

5 – Preencher o máximo possível de informações

Junto com o preço, as fichas técnicas são muito consideradas para ganhar relevância nos marketplaces. Quanto mais você preencher as informações sobre o seu produto, mais interessante se torna o seu anúncio. Além de você pensar no que é bom para sua autoridade no site, é imprescindível pensar no que o seu cliente gostaria de saber antes de realizar a compra. Essa é uma das principais dicas que podemos dar: sempre se coloque no lugar do usuário!

Você também pode utilizar técnicas de SEO para alguns itens: a estrutura do título, por exemplo, deve sempre seguir o padrão Nome do produto + Marca + Tipo + Cor + Referência. É importante analisar se o marketplace em questão tem máximo de caracteres, para que o título não fique cortado. Quanto à descrição, é recomendável que você faça uma análise de como os usuários pesquisam aquele produto no Google, inserindo essas palavras-chave na sua descrição.

Por exemplo, se você vende uma camiseta dri-fit para treino: pode ser que as pessoas pesquisem por: camiseta anti-suor. Dessa forma, seria interessante, na descrição, colocar que essa é uma das características do produto.

Além do título e da descrição, o nome da imagem deve sempre ser o nome do produto. No caso dos marketplaces, é fundamental ter o nome da sua empresa no final. Exemplo: “camisa de treino marcax drifit vermelha WAV488  wavecommerce.jpg”. Isso serve para que, se a pessoa pesquisar pelo Google Imagens, ela possa encontrar o nome da sua empresa.

Conclusão

Os marketplaces são boas oportunidades para ganhar a atenção e confiança do consumidor. Apesar disso, a concorrência lá dentro é bem forte. Se você busca se destacar nesses canais, é necessário caprichar no atendimento ao cliente, cumprir os prazos e cuidar da imagem da sua marca.

Quer conhecer mais conteúdos do Blog da Wave? Precisa de ajuda para ingressar no marketplace? Entre em contato conosco e esclareça suas dúvidas 🙂

Compartilhe esse artigo:

Comentários

comentarios