Solicitei uma corrida do Uber em Porto Alegre, e na conversa com o motorista, depois de falar que estava na cidade para um evento ligado a vendas online, a pergunta dele, em seguida foi: 

– E essa Black Friday, funciona mesmo ou é tudo fraude? 

Na mesma semana, conversando com um amigo no WhatsApp, entramos no assunto e ele me fez, praticamente, a mesma pergunta. 

– Black Friday no Brasil, funciona? 

Preciso confessar que me incomodo bastante com essa expressão “Black Fraude”, desde quando comecei a trabalhar com E-commerce entre 2012 e 2013, e tivemos algumas grandes lojas que praticaram algumas irregularidades nas alterações de preços para oferecer maiores descontos. Desde então esse ‘apelido’ passou a ser usado por consumidores, principalmente os mais conectados as compras online. 

Mas eu já era vendedor e inclusive também fazia o papel de comprador para alguns fornecedores. Toda a negociação passava por mim, então desde o faturamento da nota do fornecedor, considerando os impostos como ICMS e IPI. Até o faturamento da nota fiscal para o consumidor final, que se somam a mais tributações. 

Ou seja, no fim das contas, não sobrava muita coisa daquela negociação toda.  

E quando sobrava! 

Evento, após evento, aumentando as vendas no online e observando os movimentos que aconteciam na Black Friday, fui aprendendo algumas estratégias de vendas e também entendi que, dificilmente poderíamos oferecer promoções e ofertas com mais de 20% ou 30%. A loja passaria a ter um prazo de validade, e em 2 ou 3 meses, fecharíamos toda a operação de vendas e ainda ficaríamos devendo não só impostos mas também salários para todos os colaboradores da empresa. 

Em paralelo a isso, as grandes varejistas anunciavam descontos de até 70% nos banners da home do site e nas propagandas que estavam por todas as partes… 

Como eu poderia oferecer descontos consideráveis na Black Friday? 

Lembro-me que em um desses eventos, nós simplesmente decidimos não oferecer descontos. Trabalhávamos na época apenas nos canais de marketplace, e tínhamos também o ponto físico. Decidimos então não aplicar qualquer desconto, confesso que fiquei triste com o sentimento de não oferecer benefícios na data, mas a partir daí tudo começou a fazer mais sentido. 

Comecei a olhar a Black Friday com outros olhos, para pequenas empresas a Black Friday era mais um evento para fomentar o varejo, onde o consumidor compra por impulso, enquanto consequentemente você terá melhores resultados, independente de participar dos eventos com descontos incríveis. A sacada foi liquidar estoques parados daquele ano, ou seja, oferecer os produtos a preço de custo que considerávamos nossa Curva C.  

Ou seja, o desconto na verdade era a queima da minha margem de lucro. 

Já para as grandes empresas do varejo, o cenário muda, pois elas têm o poder de negociação muito maior, e com isso, podem oferecer tais descontos e acelerar ainda mais as vendas. Ou seja, além de liquidar os estoques do ano, em um volume muito maior que as pequenas lojas, essas varejistas também negociam suas compras desde o inicio do ano pensando no evento. 

Demorei um pouco para aprender como isso de fato funcionava e tudo foi se encaixando conforme estávamos crescendo. 

Resumidamente, estou compartilhando um pouco dessa experiência como vendedor para que você, consumidor tenha uma outra visão sobre a Black Friday no Brasil. 

– Porque ‘lá fora’ funciona? 

Pois é, ‘lá fora’, a Black Friday é um evento puxado pelo próprio governo para acelerar a economia, então existem incentivos fiscais e tributários para que as empresas realmente ofereçam bons preços sem queimarem suas margens de lucro. 

Aqui no Brasil, esse movimento começou por iniciativa dos próprios lojistas, sem qualquer incentivo do governo. Apesar de tudo, a data vem ganhando mais aderência, e a cada ano que passa, está maior. Com isso o governo também passou a observar esses eventos de outra forma, entendendo que se incentivado, tem grande influência sobre a economia do País. 

No entanto, em 2019 foi lançado a Semana do Brasil, onde alguns varejistas negociaram com o governo isenções fiscais para oferecer produtos com menores preços, o evento que aconteceu em setembro é um piloto e talvez faça total sentido se estender para a Black Friday nos próximos anos. 

Quem vive do varejo sabe o quanto é importante oferecer benefícios reais aos consumidores, e sabe como é incrível o poder de vendas na Black Friday. A poucos dias do evento que acontece esse ano no dia 29/11, eu espero que depois dessa leitura você veja a data com outros olhos e aproveite para comprar, pois teremos boas ofertas de grandes empresas e com certeza teremos queimas de estoque de lojas menores. 

Nada de Black Fraude, o evento é para você, consumidor. Aproveite! 

Sobre o autor

Formado em Gestão Comercial pela UNIFAJ, com especialização em Omni Channel para o Varejo pela VTEX – The True Cloud Commerce Platform.

Leandro Ratz é responsável pelo sucesso dos clientes no ANYMARKET. maior Hub de integração com marketplaces na América Latina.
Compartilhe esse artigo:

Comentários

comentarios