Como o meio de pagamento impacta no seu e-commerce?

Como o meio de pagamento impacta no seu e-commerce?

Uma coisa é certa: e-commerces precisam conhecer os diferentes meios de pagamento para oferecê-los aos cliente na hora de vender seus produtos ou serviços!  

Mas, para escolher o mais adequado à sua loja virtual, é preciso entender quais são as vantagens e desvantagens de cada um. Afinal, isso não afeta somente a forma como você vai receber os valores de uma venda, mas impacta diretamente na decisão e experiência de compra do cliente.  

Isso porque quanto mais facilidade e comodidade você entrega para o cliente na hora da compra, maiores são as chances de ele converter no checkout e virar uma venda. Por isso o meio de pagamento é tão importante para lojas virtuais.  

Mas, para oferecer as melhores opções de cobrança, é preciso contar com uma rede adquirente, subadquirente (intermediador) ou um gateway (software de pagamentos). 

São eles que viabilizam a venda online. Então, antes de escolher os meios de pagamento que vai oferecer na sua loja, é preciso entender a diferença entres esses modelos e escolher o melhor para seu e-commerce. Falamos um pouco deles abaixo: 

Adquirentes  

Redes adquirentes (Cielo, Rede, GetNet) são as empresas responsáveis por se comunicarem com bancos e bandeiras de cartão e fazer a liquidação financeira (transferência dos valores) das vendas realizadas por meio de cartões de crédito.   

Além disso, elas definem as taxas que serão cobradas por vendas (presentes em todos os meios de pagamento).Toda venda online passa por uma adquirente. E quando a empresa se conecta diretamente a uma operadora de cartão, as taxas costumam ser maiores e o repasse é feito em 30 dias.  

Subadquirentes 

Redes subadquirentes (Mercado Pago, Pagar.me), também conhecidas como facilitadores, são instituições que realizam a intermediação de transações entre adquirentes, lojistas e clientes.  

Elas se conectam com as adquirentes, mas assumem os riscos das transações e podem antecipar o repasse das vendas, conforme acordado com a loja online.  

Esse modelo é muito utilizado por pequenos comerciantes, já que não exigem grande complexidade de integração nas lojas. Contudo, as subadquirentes custam menos na implantação e mais nas cobranças. Em média, o serviço cobrado pelos subadquirentes giram em torno de 5% a 7% sobre as vendas no Brasil. 

Gateways 

Um gateway de pagamento é responsável pela efetivação de uma compra. Ou seja, é uma empresa de tecnologia que faz a comunicação entre operadoras e lojistas, responsável por processar um pagamento no momento do checkout. Além disso, ele garante que toda informação de pagamento seja confidencial e criptografada. 

Os gateways também se conectam com as adquirentes para fazer as transações, mas não ficam responsáveis pelo repasse. Além disso, trazem um poder maior de negociação de taxas com as adquirentes e ajudam a venda a ser mais transparente (a compra acontece no ambiente da loja virtual) e o cliente não precisa sair da página para efetivar o pagamento.  

Algumas das vantagens são: 

  • Maior segurança com a certificação PCI (mas nem todas possuem esse certificado, vale avaliar);  
  • Maior taxa de conversão, pois possibilita ter o checkout transparente via API.  
  • Roteamento de bandeira: as vendas são direcionadas para a adquirente que oferece a menor taxa de transação. 

Agora que você entendeu a diferença entre os modelos, vamos falar quais são os meios de pagamento disponíveis no mercado brasileiro e qual deles usar no seu e-commerce.  

Gateway, adquirente ou subadquirente: qual escolher? 

Antes de optar pelos meios de pagamento corretos, é importante saber qual das redes apresentadas acima atende suas necessidades. Para isso, pergunte-se: 

  • Qual delas oferece mais opções de compra (cartão, boleto, PayPal e etc)? 
  • Qual solução e taxa de emissão de boletos é melhor? 
  • Qual possibilita as melhores taxas com operadoras de cartão? 
  • Qual possui maior segurança?

Sabendo isso, está na hora de entender quais meios de pagamento escolher para seu e-commerce. Vamos lá?  

Meios de pagamento para e-commerce 

Cartão 

Em um estudo feito pela Vindi com parceria da Social Miner, o cartão foi apontado como a forma de pagamento dos consumidores online. Cerca de 64,9% dos compradores em e-commerce usam cartão de crédito.  

Essa opção oferece segurança ao lojista, uma vez que a responsabilidade de aprovar a transação é da operadora do cartão. 

Contudo, existe o chargeback, que acontece quando o valor da venda não é creditado no nome da loja, por conta do titular do cartão não reconhecer a transação feita ou por esta desobedecer os regulamentos ou termos das administradoras. Nestes casos, dificilmente a loja receberá o dinheiro de volta. Saiba mais sobre antifraude nesse artigo. 

Débito Automático (débito em conta, débito online) 

O débito automático é um meio para o pagamento com débito na conta corrente dos clientes. Ao cadastrar um convênio, os bancos efetuam a comunicação entre empresas concessionárias e seus clientes. Evitando, assim, o pagamento manual e problemas como extravio de boletos. 

Esse meio de pagamento garante alguns benefícios como: 

  • Evita que juros do crédito rotativo sejam parcelados; 
  • Sistema de pagamento ativo 24 horas;

Outra modalidade é a transferência online. Ao comprar em uma loja virtual, o cliente é levado ao ambiente do banco, que efetuará o débito diretamente em sua conta corrente. 

Boleto bancário 

O boleto bancário ainda atende grande parte do mercado brasileiro (sobretudo e-commerce), devido ao seu baixo custo para comerciantes e clientes. Esse meio permite benefícios como: 

  • Recebimento após efetivação do pagamento pela rede bancária; 
  • Não requer conta corrente para o cliente comprar.

Sua principal desvantagem é a demora na finalização da operação. Uma vez que a confirmação de pagamento pode demorar até 5 dias úteis. Outro desafio é o valor que os bancos cobram pela emissão dos boletos, que chega até R$ 10 por documento. 

Para reduzir esse valor, hoje existem empresas especializadas na emissão de boletos. No mesmo estudo citado acima, o Aceita foi apontado como a empresa mais usada pelos e-commerces para vender.  

PayPal 

O Paypal é um formato muito usado por consumidores que querem comprar online e ainda não se sentem seguros em colocar as informações de cartão no e-commerce. Ele funciona como uma carteira digital e intermedia as transações entre clientes e lojas de todo o mundo.  

Por esse motivo, se tornou uma ótima opção para os e-commerces também.  

Impactos do meio de pagamento na venda 

Existem alguns pontos de atenção importantes no momento de escolher um meio de cobrança. Por isso é importante saber responder às seguintes perguntas sobre cada uma das opções citadas acima: 

  1. É o meio de pagamento correto para meu modelo de negócio? 
  2. Ele proporciona a melhor experiência de compra aos meus consumidores?

Para ter essas respostas, saiba quem é seu público-alvo e meça as conversões. Mas, como saber se um meio de pagamento, de fato, ajuda na conversão de vendas? 

Estude a conversão de pagamento 

Negócios pequenos tendem a optar por redes subadquirente, devido a sua praticidade (sobretudo na integração), além de aceitar todas as bandeiras de cartão, boleto e antifraude. Mas será que essa é a solução ideal?  

Quando não analisamos detalhadamente os meios de pagamento, deixamos de notar desvantagens como: 

  • Alto índice de taxas; 
  • Cobrança para transferência de valores ou abertura de contas; 
  • Baixa conversão (em muitos casos checkout)  
  • Redirecionado para página externa na hora do pagamento; 
  • Antifraude incluso (porém terceirizado e com análises apenas automáticas); 
  • Não sair o nome da loja na fatura do cliente (motivo de 80% dos chargebacks).

Logo, é importante calcular a conversão de pagamento. Para isso, divida a quantidade de pedidos aprovados pelo total de pedidos realizados. Por exemplo:  

Número de pedidos realizados: 100; 

Número de pedidos aprovados: 65. 

Assim, há uma conversão de pagamentos de 65%, valor que é considerado baixo para um e-commerce. O ideal seria no mínimo 80%. É preciso entender os motivos de retorno dessas não efetivações, para saber qual é a solução ideal.  

Também é importante entender quais meios (boleto, cartão de crédito e etc) têm maior adesão nas compras realizadas.  

Além da conversão em si, que garante o faturamento da loja online, a rede (adquirente, gateway ou subadquirente) que você escolhe para oferecer os meios de pagamento podem impactar seu negócio, seja pela taxa de cobrança, pelas integrações que oferece ou pela segurança na guarda de cartões garantida pelo PCI. Portanto, vale avaliar tudo isso.  

Vindi 

A Vindi possui um gateway de pagamento focado em conversão, com certificação PCI Compliance nível 1. Além de permitir integração da maioria dos adquirentes do Brasil, oferecemos todas as opções de pagamento (boleto, PayPal, cartões e etc). 

Nossa API é pensada na melhor experiência do desenvolvedor e na aplicação dela em desenvolvimento. A plataforma tem integrados: bancos, adquirentes, subadquirentes e soluções para que empresas façam uma única integração e não onerem o tempo das equipes de desenvolvimento.  

 

Compartilhe esse artigo:

Comentários

comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *